Seagri de Sergipe sedia encontro sobre políticas para povos e comunidades tradicionais do Nordeste e Minas Gerais

Agropecuária | | 15:26h

Estamos propondo um termo de cooperação entre os estados no sentido de construirmos coletivamente uma política para estas comunidades”

A Secretaria de Estado da Agricultura, Desenvolvimento Agrário e da Pesca reúne, esta sexta-feira 11, representantes das secretarias da Agricultura Familiar do Maranhão, Bahia e Minas Gerais com a finalidade de construir um Acordo de Cooperação Técnica que busca a qualificação de políticas voltadas para Povos e Comunidades Tradicionais, com foco em regularização fundiária e inclusão produtiva.

O encontro é uma iniciativa do Grupo de Trabalho (GT) dos Gestores da Agricultura Familiar do Nordeste. O secretário do Fórum, Eugênio Peixoto, explicou o sentido Fórum e detalhou o propósito do encontro realizado em Sergipe: “o Fórum é um espaço de articulação política da agricultura familiar regional, onde estamos tentando construir políticas adequadas à realidade do Nordeste, que é muito diferente das demais regiões brasileiras. No caso deste encontro, estamos discutindo políticas para os povos e comunidades tradicionais, para os territórios tradicionalmente ocupados, a exemplo do extrativismo quilombolas e povos indígenas. São seguimentos sociais com quem o Brasil tem uma dívida histórica, pois os índio já estavam aqui e os africanos vieram escravizados. Então, o estado precisa atender essa demanda e não esconder. A gente parabeniza muito o estado de Sergipe por ter chamado essa reunião aqui. Esse é um segundo encontro de trabalho. A secretária Rose foi para o primeiro, em Salvador, e, de imediato, disse que a próxima seria em Sergipe”.

“A ideia da secretária foi importante porque podemos aproveitar as experiências de estado como o Maranhão, Bahia e Minas Gerais, que têm uma quantidade enorme de povos e comunidades tradicionais, e com isso ajudar o estado sergipano a melhor sua política de inclusão produtiva e de regularização fundiária”, concluiu Eugênio.

Na mesa de abertura, a secretária Rose Rodrigues reforçou que o “Governo do Estado de Sergipe tem o dever e o compromisso de construir e encontrar formas de destravar e atender as politicas públicas junto aos povos e comunidades tradicionais”. Ela deu exemplo das catadoras de mangaba em Sergipe e acrescentou: “Não podemos pensar em fazer ações de forma isolada, por este motivo é que estamos propondo um termo de cooperação entre os estados no sentido de construirmos coletivamente uma política para estas comunidades”, assegurou Rose.

O deputado federal João Daniel também participou da abertura elogiando a iniciava e colocando-se à disposição. “Quero parabenizar a secretária Rose pela iniciativa. Tenho certeza que a experiência dos demais estado vai ajudar muito a equipe daqui, e como membro das comissões voltadas para as políticas agropecuárias no Congresso Nacional colocamos nosso mandato à disposição para ajudarmos no for preciso”.

 

Compartilhe


Mais Notícias


Comunidades quilombolas atendidas pelo Projeto Dom Távora estiveram reunidas para tratar de acesso às políticas públicas

Projeto Dom Távora | 23.05.18 | 10:19h

“Nossa meta é investir, até junho de 2018, o total de R$ 4.171.569,75 beneficiando 536 famílias quilombolas nas nove comunidades que apresentaram proposta ao Projeto Dom Távora”, disse o coordenador geral do projeto Delmo Naziazeno.

Seagri reúne comunidades quilombolas atendidas pelo Projeto Dom Távora

Projeto Dom Távora | 21.05.18 | 20:12h

O evento tem como público prioritário os representantes de comunidades quilombolas beneficiadas pelo Dom Távora.

Em Brasília, Belivaldo busca recursos para finalizar Terminal Pesqueiro

Pesca | 18.05.18 | 10:55h

Em Brasília, Belivaldo busca recursos para finalizar Terminal Pesqueiro A obra beneficiará mais de 12 mil pescadores de 27 colônias sergipanas

Seagri e Fapitec coordenam elaboração de plano sustentável para a carcinicultura em Sergipe

Pesca | 16.05.18 | 23:07h

Estima-se que existam no Baixo São Francisco, entre Brejo Grande e Pacatuba, em torno de 1.500 hectares de lâmina de água produzindo camarão em viveiros.

Belivaldo assina resolução que facilita licenciamento de queijarias

Pecuária | 16.05.18 | 11:02h

A Licença Ambiental Simplificada abrange apenas as queijarias que processam até 2.000 litros de leite/dia, com até 250 m² e que tenham o soro aproveitado para a alimentação animal ou em produtos derivados

Governo inicia distribuição de sementes em Carira

Agricultura | 16.05.18 | 10:03h

O governo do Estado deu início à distribuição de sementes selecionadas de milho a produtores da Agricultura familiar