Suinocultura

Pecuária-Suinocultura

A região de Nossa Senhora da Glória é hoje a maior criadora de suínos do estado de Sergipe, em decorrência do aproveitamento dos resíduos da indústria queijeira para a alimentação desses rebanhos.

Padrão tecnológico:
A região do semi-árido desenvolveu a criação de suínos, atrelada à indústria queijeira. O rebanho suíno alimenta-se do soro do leite, subproduto dessa indústria. Devido a esse fator, a bacia leiteira de Nossa Senhora da Glória possui também o maior rebanho suíno do estado.

Como alternativa ao soro do leite, o descarte dos abatedouros de frangos (vísceras) também é aproveitado para alimentação suína. Sendo assim, as granjas sergipanas e os produtores do seu entorno também desenvolveram a suinocultura.

Entretanto, o rebanho suíno em Sergipe é criado quase que exclusivamente por pequenos produtores, com baixo padrão tecnológico empregado e pouca expressão econômica e quantitativa.

Resultados físicos e econômicos para quatro lotes de 150 animais, em um ano:

Custo total 191.456,07
Custo para construção de galpão (13,20 x 25,00m = 330m2) 14.717,90
Valor Bruto da Produção (VBP = 596cab x R$ 440,00) 262.240,00
Preço médio de suíno terminado (80kg) 440,00
Margem Líquida 70.783,93

Compartilhe